Os três estudantes sequestrados em Israel – Busquem ultimas notícias.

BS”D

Judeus uniram-se no mundo inteiro para rezar pelos três estudantes sequestrados em Israel.

Chaverim rezem um salmo para nossos meninos. Os meninos não são guerrilheiros, são apenas jovens. Rezem pelo seu retorno e por sua saúde perfeita. Vamos nos unir rezando por eles. Por favor não cessem de rezar por nossos meninos.

  • Yaakov Naftali ben Rachel Dvora
  • Gilad Michael ben Bat Galim
  • Eyal Ben Iris Teshura

Que os nossos esforços possam produzir resultados para o regresso de Yaacov, Gilad e Eyal imediatamente e em segurança.

Se souber mais notícias, comente abaixo.

O que é e o que significa Shavuot?

O que é e o que significa Shavuot?

O Ben Anussim tem que entender que os chaguim (Haghim = Festas Sagradas) são muito mais do que uma celebração e algo histórico e passado, ele deve entender que todas estas festas são na verdade um aviso, uma placa de sinalização que nos indica quais energias de nossa alma são carregadas em tempos específicos do ano. Lehavdil (Mal comparando, ou sem comparar), uma estrada precisa de placas para informar o quais cuidados cada perímetro pede de nós, ou as estações do ano que influenciam como o tempo, o clima e o sol vão influenciar as plantas, Lehavdil, os chaguim também nos influenciam e guiam nossa alma para Avodat HaShem (Serviço Divino).

Precisamos estar atentos para entender em que estação estamos, para entender qual a influência especial que temos neste ponto.

Em Shabuot as luzes celestiais (Orot Shamaim) estão especialmente voltadas para nos revelar a Torah do Sinai em nossos tempos e dias.
Shavuot é o dia no qual celebramos a grande revelação da Outorga da nossa Toráh Kedoshah (Sagrada) no Har Sinai (Monte Sinai), no ano 2448. Neste dia, as almas de todos os judeus de todos os tempos juntaram-se para ouvir os Dez Mandamentos, transmitidos pelo próprio D’us. Nossos Chachamim (Hahamim = Sábios), de abençoada memória, nos ensinam que todas as almas dos judeus, incluindo as almas dos Geerim (Convertidos) estavam no Har Sinai.

Em Shabuot, na realidade, Elokim está nos dando novamente a Torah Kedoshah. Nessa época ouvimos Asseret HaDibrot (10 ditos) e é importante, cada judeu, homem, mulher, cada alma mesmo katan (menor de idade) precisam ouvir e receber sobre si a Torah.

Att.,
Yaakov Benlev Carneiro

 

 

Shavu’ot Leis e costumes – Artigo 1

BS”D
Shavu’ot Leis e costumes
Em Shabuot temos muitas leis e costumes, dentre elas temos, comer alimentos a base de leite.
Hoje entenderemos ou veremos novamente as razões e motivos, legítimos, para este minchag (Costume).
Antes da outorga da Sagrada Torah no Sinai, já haviam as leis de Kashrut, porém a partir da entrega da Sagrada Torah de maneira institucional ela foi ratificada. A Torah foi entregue em um dia de Shabat, por esse motivo, nenhum animal poderia ser abatido, de mesma forma, nenhum k’lí (utensílio) poderia ser kasherizado, por tanto neste dia a principal alimentação física foi à base de leite.
O Segundo motivo, é que a Sagrada Torah é comparada com o leite, quanto alimentação. A palavra hebraica para leite é Chalav. A palavra Chalav (חלב) na guemátria tem o valor de 40 (quarenta), ou seja 8+30+2. Quarenta é o número de dias que Moshê Rabenu permaneceu no Monte Sinai recebendo a Torah de HaKadosh Baruch hu.
Há um outro equivalente que aprendemos sobre o valor de 40, Encontramos no Sefer Bereshit, no finalzinho da parashat Lech Lecha o passuk onde Avraham Avinu, ri em seu interior ao receber a notícia do nascimento de Yitzchak. O passuk nos informa que ele Avraham Avinu riu em seu interior, ou em seu coração. A palavra que aparece em hebraico para “em seu coração” é בלבו (Belevo). O valor numerico para בלבו é 40. O que nos mostra que os 40 dias no Sinai era o equivalente à colocar a Sagrada Torah no interior, ou no profundo do íntimo do coração. Esse também é o motivo máximo do afeto entre mãe (lactante) e o filho. A ligação entre ambos é algo incrível e a nossa relação com a Sagrada Torah, o leite que nos alimenta à vida espiritual, deve também ser o nosso elo com Ruach, a face mãe do Sagrado, segundo os Mikubalim.
Att.,
Yaakov Carneiro

Preparando-se em Sefirat HaOmer – Lag BaOmer – Kavod Zeh Bazeh

BS”D

Preparando-se em Sefirat HaOmer – Kavod Zeh Bazeh

INTRODUÇÃO:

Nestes dias de Sefirat HaOmer temos muitas leis, que Yehudim próximos da Sagrada Torah tem o mérito de se aproximar.

Para exemplificar, falaremos sobre algumas Halachot (leis) que precisamos compreender e assimilar. Neste tempo nós não cortamos o cabelo e a barba, não ouvimos música, não vamos a casamentos, contemos nossa alegria até determinado ponto. Entretanto, se não compreendermos o real sentido para esse tempo, provavelmente perderemos toda a essência de vivermos esse tempo.

Para entendermos melhor precisamos fazer um pequeno comparativo. Imagine agora que todos os livros de comentário de hebraico, da bíblia, dos chachamim (Sábios de Torah) de tudo o que corresponde a Yahadut em texto e em vida sucumbam. Imagine que não haja mais relato oral, não haja mais registro escrito e histórico (Lo Alenu).

Deu até uma certa dor no coração só de imaginar, correto? Pois é, foi bem isso que aconteceu. Alguns lideres ou influenciadores judeus podem minimizar o tempo de Lag Baomer, mas estes que assim o fazem, de fato são considerados Am HaAretz. Segundo nossos Chachamim, de abençoada memória, os que incentivam o povo a desacreditar nos chachamim (Sábios e preservadores da Sagrada Torah), assim como alguns fazem com o Zohar HaKadosh, são considerados Am HaAretz, ou seja desagregadores do povo de Israel.

A IMPORTÂNCIA DO KAVOD SE SEFIRAT HAOMER:

Todos os tempos apontados, cada memorial, cada época especifica do calendário judaico tem um motivo especial. Um grande problema da realidade atual entre os Bnei Noach, bem como dentre os Bnei anussim, realidades muito próximas, pois falam de pessoas de fora do judaísmo, que de uma maneira ou outra precisa receber conteúdo que estiveram afastados por muito tempo, é a de perceber que há informações de extrema importancia, que não estão no tanach, que não estão nos livros, que não estão no Talmud, que mesmo sendo a compilação da Lei Oral, não pode receber toda a infinitude de informações que são transmitidas de maneira oral.

Sei que esse discurso é um discurso que boa parte dos que adentram no judaísmo, ou pensam que já ouviram tudo o que precisavam ou que não querem ler ou ouvir mais nem uma palavra, mas é de suma importância que visitemos esse tema, em especial para compreender o que acontece em sefirat HaOmer e em especial em Lag BaOmer.

OS ALUNOS DE RAB AKIVAH:

Como falamos acima, é importante entender que quando morreram os GRANDES alunos de Rab Akiva, não foram mortas criancinhas de um maternal, ou alunos de uma escola técnica, como muitas no Brasil. Não desmerecendo essas duas instituições importantes, ao contrário, usando até mesmo de trampolim para a idéia de que, MUITO MAIS IMPORTANTE que as idéias anteriores, a escola de Rab Akiva era infinitamente superior, pois nela, estava guardada e preservada Todah a preservação do conhecimento de Torah. Nela estava gravada e preservada a Torah para ser levada para as próximas gerações.

o Sagrado então preferiu “arriscar” perder TODO o conteúdo de Torah em troca de uma transmissão, oral e “pura”, para as próximas gerações. Quando usamos a palavra Pura, não significa necessariamente que os alunos do Rab estavam impuros cerimonialmente, mas a responsabilidade que eles tinham era gigante. Eles teriam que transmitir de maneira inequívoca a Torah que receberam de maneira intacta para as próximas gerações. E com todo o respeito a eles,  segundo o que o próprio talmud nos ensina, faltou kavod (honra), faltou tato.

O que aconteceu na época de Rab Akiva, foi que 12 mil pares de alunos de Rab Akiva morreram em cerca de 33 dias. Há discussão se não houveram mortes no 33 ou no 34, mas em geral todos concordam que até o dia 33 a morte deles terminou.

Agora você imagine comigo, de todo o MUNDO de Torah que havia em sua época, sobraram apenas 5 alunos, ou melhor, Rab Akiva teve de recomeçar tudo do zero somente com 5 alunos.  E somente por esses 5 alunos de Rab Akiba estruturou e manteve toda a torah que recebemos até hoje. Imagine então Torah D’Oraita, Torah She B’alpeh, Cabalah, Minchaguim, Tudo!

O Talmud é claro quando diz que o motivo foi: “Shelo nahagu kavod ze baze” (eles não se tratavam com honra ou respeito de um para com o outro). O talmud não vala que eles não tiveram “Amor ao próximo” que é uma mitzvah, O Talmud não diz que eles fizeram averot (Pecados), o Talmud não conta que eles mataram, espancaram ou bateram no próximo. O Talmud conta pra gente que eles não deram peso uns para com os outros. Isso significa que eles estavam dando mais peso para sí mesmos do que para o outro. Imaginem esses gigantes de Torah cheios de boas ações, cheios de bondade e amor, cheios de santidade e de bons pensamentos e mesmo assim o Sagrado não os quiz dar continuidade ou nante-los neste mundo por não considerar o a importância do outro, além da própria importância. Provavelmente quando um deles tinha um Chidush de torah. (Uma coisa nova que aprendeu), o outro não achava que deveria dar uma demasiada importância. Até porque eles eram gigantes em Torah, sendo assim, porque ouvir um outro Bachur, ou alguém que aos olhos deles não poderia ensinar algo novo? Para o Rab, nãoooo o Rav Kol HaKavod (Respeito máximo ao Rabino), entretanto para com o igual ou o talvez menor, não exigia-se muito respeito. Esse é o grande perigo de Sefirat HaOmer, devemos SIM cuidar do Kavod do outro e esse foi o motivo do Sagrado Abrir mão de 24 MIL Sábios da TORAH, esses 24 MIL sem kavod, para o Sagrado eram menos efetivos do que 5 alunos com Kavod ZeBaze (Com respeito de um para com o outro).
PS:
Chaverim Sheli, obrigado por ler e acompanhar meus artigos e meu blog. Eu tentarei escrever bem mais, porém com a falta de tempo e recursos tenho que me desdobrar em vários afazeres. Hoje tenho que equilibrar o tempo que tenho dentre várias tarefas cotidianas, dentre elas dar aula de Torah que é minha paixão, estudar Torah que é a minha prioridade, meu trabalho que é minha obrigação e minha família que é o presente que o Sagrado me deu.
Este artigo, assim como muitos outros estão a cada dia mais escasso, não sei se você percebeu, isso porque tenho cada dia menos tempo para escrever ou para gravar vídeos. Preciso assegurar meus estudos de Torah, comprando livros, e trabalhando em freelance ou em horas extras para que eu e minha família consigamos viver bem com nossas obrigações. Ainda mais agora que serei pai.
Eu queria muito ter mais tempo para ensinar gratuitamente, porém tenho um valor “X” todo o mês para arcar, e essas obrigações exigem tempo para que eu possa executa-las. então eu preciso escolher o que fazer com o tempo, minha obrigação com minha família e trabalho, ou continuar ensinando Torah Kasher (Torah 100% judaica, sem modismos ou vinda de seitas) vinda de nossos Chachamim (Sábios de Torah). Hoje meu trabalho secular me onera parte do que eu vivo, pretendo voltar a fazer design Freelance para ajudar na renda familiar, mas isso vai gastar ainda o pouco tempo que me resta livre e terei de aos poucos diminuir e talvez parar o meu trabalho de ensino e estudo de Torah. Você pode me ajudar mantendo esse projeto, Hoje temos poucas pessoas que têm condições de ajudar a manter esse estudo, mas você pode ajudar, mesmo com pouco a manter esse projeto todo o mês.
Abaixo de minhas postagens sempre você vai encontrar no site o link de minha conta no PagSeguro, o pague seguro é uma conta confiável que você pode fazer depósitos ou pagamentos via cartão de crédito. Você pode inclusive fazer um valor em 12X se achar necessário pagando em seu cartão de crédito ou mesmo em pagamento via telefone em seu banco através de código de barras.
Novamente esse não é um pedido de tzedakah, essa é uma informação para aqueles que estudam comigo para, se desejarem, ajudar esse projeto á se manter e a sobreviver. Além disso podem ajudar à fazer com que esse projeto gere mais conteúdo, mais vídeos, artigos, comentários da parasha e etc. Não sei se para você é importante gerar mais conteúdo de Torah, mas achei que seria mais honesto com vocês se dividisse meus planos para o futuro e se eu desse uma outra alternativa além de dizer que iria acabar com os artigos ou os vídeos.
Que o Sagrado lhe abençoe Shal’m e Shabua tob.
Yaakov Benlev Carneiro

Yom Hazikaron – Dia da independencia do Estado de Israel

Hoje é comemorado em Israel o Yom Hazikaron, em memória aos mais de 23 mil soldados do exército de defesa de Israel e vítimas do terrorismo. Nestes 67 anos de retomada e reassentamento de milhares de judeus sem pátria, até então.
E amanhã é a grande festa em homenagem aos 67 anos de independência do estado judeu.
Para todos os Bnei anussim e candidatos a conversão, mesmo os que não são sionistas. Devemos todos ver, mesmo que de maneira natural, que o Sagrado nos guiou para que possamos ter nosso lugar seguro, nossa casa, algo que tem ligação com quem nós somos. Somos um povo.  Sendo assim, traga à memória esse tempo com sua família respeite cada vida que foi entregue para protejer a identidade cultural e religiosa de nosso povo. Não foi somente uma tomada de terra, foi uma garantia de soberania do povo que foi chamado pelo nome do S’nhor.
Que o Sagrado abençoe a todos.
Coordenação Kehilah Beit ‘Or.
Procure o judaísmo de fato.